Coleções

Secretária com tampo de rebater da época Luís XV, estampilhada por Nicolas-Pierre Séverin (1728–1798) no tardoz, maître ébéniste em 1757.

De formato rectangular com cantos cortados, o corpo superior com tampo de rebater forrado no interior com couro esverdeado e está dividido em pequenas gavetas e prateleiras para arrumação de documentos. Encimado por gaveta estreita onde assenta um tampo de mármore.

Par de castiçais neoclássicos em prata portuguesa. Base elíptica, vazada em gradinha, assente sobre quatro pés salientes em bola, da qual se eleva a corola de uma flor de oito pétalas gomadas, terminando em gotas. Este padrão repete-se no fuste e no copo, separados por bolachas.

A haste canelada é interrompida por uma cinta transfurada, com quatro reservas lisas. Nó e arandelas elípticas em gradinha, desenhadas segundo o padrão decorativo da base.

Rara caixa de escrita em marfim, de formato paralelepipédico e tampa troncocónica, com decoração rebaixada e policromada, enriquecida com aplicações em prata, produzida no Decão, no centro da Índia e datável do século XVII.

C427 Raríssima garrafa – aquamanil – em faiança portuguesa da primeira metade do séc.
XVII, coberta de esmalte branco e pintada a azul‑cobalto.
Peça, moldada e modelada, com cabeça de burro,corpo feminino e cauda de peixe. A parte
humana revela pescoço alto, ombros largos,tronco em barril e peitos fartos. Da base
emerge uma longa cauda enrolada que termina junto à cabeça, desenhando a pega.
Está profusamente decorada com elementos vegetalistas, enrolamentos, composição de flores e “rede”, simulando a vestimenta estilizada da figura.

Cofre relicário em filigrana de prata branca e dourada. De formato retangular, com tampa trapezoidal é enriquecido nas arestas com colunas dóricas. Toda a decoração é preenchida de vergónteas ondulantes com enrolamentos e inserida em painéis arrendados, contornados por encordoados, no centro dos quais sobressaem florões, cuja corola é formada por pequeno quadrado em prata dourada.

Raríssima escultura em fina chapa de prata repuxada e cinzelada, obra-prima de uma destacada oficina de ourives de Goa, datável dos inícios de Seiscentos, ou um pouco anterior.

"Sombras Projectadas de Christine e Samuel Bouri"

1966

Par de grandes potes bojudos do período Kangxi, em porcelana branca decorada com esmaltes Imari sob o vidrado e com garnitures em bronze dourado. No bojo uma paisagem tipicamente chinesa com montanhas, casario, rochedos, arvoredo e rio.

À beira-rio crianças brincam e Kuanines conversam serenamente, sob o olhar dos pescadores que navegam no rio. No ombro, uma banda de painéis em forma de cabeça de ceptro de ruyi, com fundo azulado alternam com reservas rouge-de-fer com motivos vegetalistas.

Objecto de prata de âmbito civil, usado para lavar as mãos no ritual que antecedia as refeições da aristocracia portuguesa, este extraordinário aquamanil, de grandes dimensões e peso, pertence a um grupo de cerca de oito peças dispersas pelo globo.

Páginas