“Azulejos” e “Faianças”

Nº de referência da peça: 
C421

Excepcional prato em faiança portuguesa, com covo pouco acentuado e aba levantada, coberto com esmalte branco e pintado a azul e vinoso de manganês, num minucioso trabalho de composição designado de Desenho Miúdo. A decoração é tipicamente chinesa com o covo e a aba preenchidos por paisagem orientalizante. No centro surgem dois monges budistas sobre uma ponte à sombra de uma umbella inseridos numa profusa composição vegetalista.

Nº de referência da peça: 
C419

Rara bacia em faiança portuguesa, de covo acentuado, aba chanfrada e bordo canelado, revestido por esmalte branco e decoração de Desenho Miúdo, pintada a azul e vinoso de manganês. Fundo preenchido por profusa decoração vegetalista com aves pousadas em ramos e charcos, destacando-se cruz da Ordem de Malta ao centro. A composição está circundada por orla de três contas, limitada por dois frisos. Na aba um padrão composto por gazelas, aves, casario e vegetação diversa. Tardoz com quatro ramos pintados a azul e vinoso.

Nº de referência da peça: 
C422

Raro prato em faiança portuguesa, de covo acentuado e aba lisa, revestido por esmalte branco e decoração de Desenho Miúdo pintado a azul e vinoso de manganês. No fundo, como motivo central, um cupido numa paisagem exótica com casario oriental inscrita numa barra de contas limitada por dois frisos.

A aba apresenta uma composição de animais - gazelas e aves – numa paisagem com vegetação exótica e casario oriental. No tardoz, quatro ramos pintados a azul e vinoso e a marca de posse (?) VAS BOAL.

Nº de referência da peça: 
C438

Canudo de botica ou manga de farmácia, em faiança portuguesa de formato cilíndrico ligeiramente cintado, decorado com padrão de desenho miúdo, a azul-cobalto e vinoso de manganês, sobre esmalte branco. No bojo, cartela barroca larga oblíqua, com a inscrição na tarja MIRABELET, circundada por paisagem de rochedos e vegetação e um grande pássaro em pleno voo. O corpo está limitado por larga barra de gregas avivada por friso, que faz a transição para a base e para o bordo.

Nº de referência da peça: 
C439

Manga de Farmácia em faiança portuguesa, de forma cilíndrica com ligeiro estrangulamento no centro, decorada a azul e vinoso de manganês sobre esmalte branco. Bojo com cartela retangular, larga e oblíqua, com a inscrição S.BUGLOZI, que sobressai de densa decoração com grandes boninas. O colo com cercadura vegetalista e a base de filete remata a composição da manga.

Nº de referência da peça: 
C441

Canudo de botica em faiança portuguesa, de forma cilíndrica com ligeiro estrangulamento no centro, boca alteada e revirada, decorado a azul de contornos a vinoso de manganês sobre esmalte branco. Bojo com cartela oval e oblíqua, com a inscrição VNG. TO PALIDVM, ladeado por alguns elementos florais de influência chinesa e um imponente busto feminino com toucado à moda da época, conhecido por Bella, influência da majólica italiana. Colo e base com tarja de volutas rematada por filetes a vinhoso.

Nº de referência da peça: 
C442

Canudo de farmácia em faiança portuguesa, rodado, ligeiramente estrangulado ao centro, com pé circular, colo baixo e bordo revirado, decorado a azul com contornos a vinoso de manganês sobre esmalte branco. Bojo decorado por paisagem do tipo oriental, de rochedos e vegetação com grandes flores, onde sobressaem um lebrão e uma garça. Colo e base com tarja de volutas rematada por filetes a vinhoso.

Nº de referência da peça: 
C500

Garrafa paralelepipédica em faiança portuguesa do séc. XVII, de secção quadrangular com ombro arredondado, colo curto e cilíndrico, gargalo proeminente, coberta a esmalte branco com pintura a azul-cobalto. Está decorada com quatro painéis arqueados onde se inscrevem cartelas, preenchidas por elementos decorativos vegetalistas de influência oriental: crisântemo com duas flores e respectivos ramos e folhas estilizadas em vários tons de azul, sobre vidrado. O ombro é ocupado por faixa barroca de acantos e o gargalo proeminente em esmalte branco.

Nº de referência da peça: 
C538

Invulgar peça em faiança portuguesa do século XVII, representando baú de caracter artesanal, apoiado sobre patim incorporado, com cabeça de animal fantástico, com decoração a azul-cobalto sobre esmalte branco. A tampa e a frente do cofre estão delimitadas por friso a azul e preenchidas por cartela com enrolamentos simétricos de folhas de acanto, desenvolvidas ao modo barroco, através de pincelada gestual e espontânea, ponteadas por ramos de aranhões, vulgarmente inspirados nas folhas de artemisa da porcelana chinesa do período Ming.

Nº de referência da peça: 
F1053

“Albarrada”

Páginas