Diversos

Nº de referência da peça: 
F1043

Excepcional Yatate, conjunto de escrita portátil japonês Namban literalmente traduzido como “suporte em seta”, sugerindo a forma de um cachimbo e decorado com temas alusivos à arte namban. Braço longo cilíndrico oco, em cobre de coloração acastanhada, com as extremidades em prata, decoradas com ornamentos em namban Karakusa, onde se guardava o pincel de escrita. Um dos lados termina em forma de asas e o outro está reforçado por anilha que o liga a um recipiente em cobre, com a forma de um bivalve, onde se introduz a tinta sumi, embebida em tecido.

Nº de referência da peça: 
F983

A sua forma particular identifica-se com os kagamibuta, literalmente "tampa em espelho", fazendo lembrar um manju ou doce tradicional de forma redonda, dado que a parte superior, normalmente em metal, faz lembrar um espelho.

Nº de referência da peça: 
F965

Raro inrō Namban em madeira revestida a laca. A caixa, com formato prismático e secção ovalizada, é composta por quatro compartimentos ou dan sobrepostos, dois sub-divididos, que encaixam uns nos outros e encerram com tampa do mesmo formato.

Nº de referência da peça: 
F663

Pequena taça em ágata matizada e de tons fumados que tem como característica principal o facto de ser entalhada de um único bloco de mineral. As ágatas são uma das muitas formas da calcedónia, um tipo de quartzo onde se incluem também as cornalinas e os heliotrópios.

Nº de referência da peça: 
F580

Tecido em damasco de fio de seda e aplicação de lantejoulas prateadas. Bordado direto com pontos de ouro em fio de papel laminado prateado, com alma em seda e cordão do mesmo fio.

Nº de referência da peça: 
F615

Taça esculpida a partir de um único bloco de cristal-de-rocha particularmente límpido, de formato oblongo com 8 gomos em torno de uma flor central, simulando um trevo de quatro folhas. A sua beleza repousa num jogo de superfícies lisas, ritmicamente marcadas por gomos.

Na Índia Mogol havia uma predileção pelos objetos preciosos e delicados, esculpidos em pedras duras tais como o jade, a ágata e o cristal-de-rocha, por vezes ornamentados posteriormente com ouro e pedraria.

Nº de referência da peça: 
F1047

Pequena taça para vinho, em jade nefrite branco acinzentado, translúcido e ligeiramente mosqueado, de concha em forma de gota com lóbulos marcados (godrões) e pega em forma de cabeça de cabra, provavelmente da famosa cabra de Caxemira (Capra hircus laniger), conhecida por Changthang, e que habita as montanhas a norte no subcontinente indiano, nos atuais Ladakh (no Kashmir) e Baltistan, de onde se obtém a tão apreciada lã de caxemira.