“Azulejos” e “Faianças”

Nº de referência da peça: 
F1052

“Albarrada”

Peças Vendidas
Nº de referência da peça: 
F1049

“Alegoria às Artes”

Peças Vendidas
Nº de referência da peça: 
F1051

“Paisagem com Fidalgo e Cão à Beira Rio”

Nº de referência da peça: 
F1050

“Cena do Quotidiano”

"Albarradas"

Painel de 66 azulejos representando duas albarradas: vasos de flores ladeados por meninos que seguram capitel. Um palmito encimado por querubim alado separa as duas albarradas. Moldura com faixa barroca.

Nº de referência da peça: 
C467

Magnífica talha em faiança portuguesa, da segunda metade do século XVII, com pronunciada forma bojuda, rodada, duas asas opostas e gargalo elevado de bordo ondulante e divergente, revestida de esmalte estanífero com decoração policroma pouco vulgar.

Nº de referência da peça: 
C428

Pote em faiança portuguesa do séc. XVII, de forma ovóide com duas asas, decorado a azul cobalto e vinoso de manganês. No bojo destacam-se dois bustos femininos com toucados à moda da época, as "Bellas", influências da majólica italiana, separados por vegetação ao sabor da porcelana chinesa.

Nº de referência da peça: 
C461

Pote em faiança portuguesa do séc. XVII, de forma ovóide e colo curto, decorado a azul‑cobalto e vinoso de manganês. O bojo é seccionado por duas reservas circulares decoradas com bustos femininos, com toucados à moda da época, as "Bellas" de influência na majólica italiana, e que alternam com losangos ornamentados por flores de corolas abertas. Junto ao bordo uma faixa de volutas brancas em fundo azul, e na base, entre duas faixas, uma cercadura de volutas muito ao gosto barroco, envolvidas por filetes a vinoso de manganês.

Raríssima peça de formato islâmico em faiança portuguesa, com decoração inspirada em peças idênticas em porcelana da China. A garrafa de bojo globoso, esferóide com pescoço alto e cilíndrico termina em bordo saliente. No corpo decoração com quatro cartelas decoradas alternadamente por grandes arranjos de flores, ramos de boninas e rolos de papel com motivo geométrico encadeado e laçadas. Separam estes medalhões rectângulos com “cordões duplos e losango”.

Nº de referência da peça: 
C440

Raro pote rodado em faiança portuguesa do séc. XVII, de forma ovóide e bulbosa com duas asas e colo demarcado, pintado a azul-cobalto sobre esmalte estanífero. A decoração é densa e preenche integralmente toda a sua superfície, testemunhando o horror vacui, derivado de modelos islâmicos. Embora de nítida influência oriental a representação humana têm tipologia ocidental estando mas inserida numa paisagem orientalizante.

Páginas