Contador

Nº de referência da peça: 
F1142

Madeira, laca, ouro, madrepérola e cobre dourado
Japão, Período Momoyama, inícios do século XVII
54,0 x 78,0 x 41,7 cm
Proveniência: Colecção Vincent L’Herrou

Cabinet Namban
Wood, lacquer, mother-of-pearl, gold and copper Japan
Momoyama Period, early 17th century
54,0 x 78,0 x 41,7 cm
Provenance: Vincent L’Herrou collection

A Namban fall-front cabinet in lacquered wood (urushi) modelled after an Iberian prototype, called contador in Portuguese and vargeño in Spanish.
Fitted in the interior with many drawers of diverse shapes, cabinets of this size were intended for the safe keep of important documents and letters, jewellery and small precious objects, and ranked among the most essential pieces of furniture in early modern Europen domestic interiors. The hinged front drops down to form a surface for writing.
This type of furniture was vital for European officials, merchants and traders living in Asia, being made with exotic and expensive materials such as tortoiseshell, ivory and delicate lacquer decorated in gold, the latter much admired and avidly sought after in Europe due not only to their appealing design but also to their technical perfection.
When open, this very rare and important cabinet, gives access to twenty drawers arranged in six tiers: the first and second tier, with two square drawers at the ends occupying the total height, have four long drawers; a central drawer, with an arch reminiscent of contemporary European cabinets, occupies the total height of the three central tiers, and is flanked by five drawers superimposed on each side, two in the upper tiers and one long in the middle, on each side; and three drawers in the lower tier, two square at the ends and a central drawer which, like the drawer with the arch in the centre, has a lock.
While the decoration of the central drawer consists of a heavily loaded branch of tachibana orange (Citrus tachibana), the bottom drawer features Japanese arrowroot coiling vines or kuzu (Pueraria lobata), a species that is also depicted, in an almost omnipresent way, in the decoration of the lacquered back and in the inner side of the fall front. Among the botanical species present in the decoration of this important cabinet mention should also be made to lotus flowers (Nelumbo nucifera), emerging from lake scenes in the square drawers at the corners.
Not unlike other Namban lacquered pieces of furniture, with flat exterior sides and protruding edges in keeping with Chinese furniture, this cabinet’s decoration consists on central panels with geometric borders (chequered pattern or ishitatami) combining the gold decoration with the mother of pearl (raden).
Nevertheless, and with the exception of the back which, as we have seen, is decorated by a large and continuous panel of Japanese arrowroot coiling vines, the remaining surfaces are covered by gilded copper plaques - whole plaques on the sides and two at the top and the exterior side of the fall front - decorated with a black lacquered (urushi) pattern of fish scales (facing upwards), with ball-shaped gilded copper nails set in the centre of each scale.
Made in a much more expensive and difficult to work material, the plaques and the fish scale pattern of the present cabinet is similar to the decoration of a rare group of Namban lacquered pieces furniture covered with mother-of-pearl (raden) featuring the same pattern of scales and pinned with similar round gilded copper nails. In fact, this pattern follows a taste and mode of production foreign to Japan, and one which arrived with the Portuguese, since it copy the fish scale pattern of the objects - among which pieces of furniture such as caskets and tabletops -, produced with mother-of-pearl tesserae in Gujarat, some commissioned under direct European influence and copying prototypes brought by the Portuguese. Few examples of this Namban group of pieces are known, such as a large (45.5 x 76 x 36.5 cm) chest (curiously decorated solely with Japanese arrowroot coiling vines) in a private collection, a large table cabinet in a private collection in Lisbon, and another large chest in the Victoria and Albert Museum, London (inv. no. FE.33-1983).
While there is no doubt about the work, difficulty and time involved in cutting and carefuly setting the mother-of-pearl tesserae to the lacquered wood surface of the examples of this rare group, the manufacture of the gilded copper sheets used on the present cabinet is certainly more complex, since the knowledge used to make them belongs to metallurgy. In fact, for the manufacture of such thin and regular copper sheets it is necessary to cast a ingot which is then flattened by hammering until the desired thickness is obtained (hammering which is interrupted whenever the metal looses its ductility and becomes necessary to anneal it, bring it to the fire repeatedly), with the subsequent and time-consuming elimination of the hammer marks, resulting in an flawlessly smooth, flat surface.
This surface was later gilded, probably by the dissolution of the gold in mercury, resulting, after it evaporates, in a gilded surface which is then burnished for greater brightness, lacquered in black with the fish scaled pattern, and further decorated with the ball-shaped nails (with the drilling stages which precedes it) placed at the centre of each scale.
Complex and lengthy stages of manufacture in the field of metallurgy, which results in an absolutely extraordinary surface, literally covered with gold, one of the most expensive materials, alongside with silk, and thus much appreciated.
It is, therefore, not a decorative option that could have resulted from any scarcity of mother-of-pearl, but a conscious preference on the part of the patron, since gilded furniture was then regarded as the most luxurious, and reserved to the elite. It should be underscored that the excessive use of gilded furniture led to its prohibition in the kingdom of Portugal - along with enamelled gold pieces or the unregulated use of silk attire – by means of special laws known as sumptuary laws.
The gilded copper decoration of the present cabinet, which is also present in the copper bands (chased in order to imitate the adjacent chequered lacquered borders) that cover the joints of the double plaques at the top and front, also extends to the fittings, which includes drawer pullers (with chrysanthemum-shaped escutcheons), brackets, side handles, hinges, and the large escutcheon in the shape of a crowned coat of arms decorated with a chased Japanese apricot or Prunus mume.
The refined gold decoration applied to this large fall-front cabinet called maki-e, literally "sprinkled picture", was common in Momoyama Period (1568-1600) and early Edo Japan.
During this period, a special lacquerware made for export, which mixed mother-of-pearl inlay with hiramaki-e, was called nanban makie or nanban shitsugei. Nanban, also spelled Namban, or Nanban-jin (literally, "Southern Barbarian") is a Japanese term derived from Chinese that refers to the Portuguese and Spanish merchants, missionaries and sailors who arrived in Japan in the sixteenth and seventeenth centuries.
Namban has also become synonymous with the types of lacquerware and other products that were commissioned in Japan for the home market or for export and reflected western taste and were modelled after European prototypes such as the present cabinet. Namban-style products, which were strictly made for export only, commonly combine Japanese techniques, materials and motifs with European styles and shapes, the present object being a valuable testimony of such production.
At present, no other Namban piece is known with gilded copper sheets decorated with a lacquered fish scale pattern such as the present piece, thus being a remarkable document of a taste at the same time refined yet overly ostentatious, a choice which in fact perfectly depicts the manners of the Portuguese in Asia during this period of the so-called Maritime Discoveries and Expansion.

Contador Namban em madeira lacada (urushi), com tampo de abater, replicando um protótipo ibérico de móvel de conter conhecido à época por contador em português, ou também por vargeño em espanhol.
Com diversas gavetas de diferentes formatos e dimensões, contadores desta dimensão, e caixas-escritório quando de menor tamanho, foram concebidos para guardar documentos importantes e cartas, jóias e pequenos objectos preciosos, contando-se, entre as peças de mobiliário, como das mais indispensáveis nos interiores domésticos na Europa do Período Moderno. O tampo de abater articulado forma, quando aberto, uma superfície plana para a escrita.
Móveis como o presente eram de uso quase obrigatório para oficiais, nobres e mercadores europeus estantes na Ásia, sendo produzidos numa variedade de materiais exóticos e valiosos, tais como a tartaruga, o marfim ou a delicada laca decorada a ouro, muito apreciada e avidamente procurada na Europa dado não apenas a sua estética apelativa, como também a sua perfeição técnica.
Quando aberto, este muito raro e importante contador, dá acesso a vinte gavetas dispostas em seis fiadas: a primeira e segunda, tem duas gavetas centrais, ladeadas por gaveta única quadrangular que ocupa a altura total dos dois renques; por baixo, uma gaveta central, com arcaria ao modo dos contadores europeus da época, ocupa a altura total das três fiadas centrais, ladeada por cinco gavetas sobrepostas de cada lado: duas em cima e uma comprida a meio e duas por baixo; por fim, do renque inferior, duas quadrangulares nas extremidades e um gavetão central que, à semelhança da gaveta de arcaria ao centro, apresenta fechadura.
Enquanto a decoração da gaveta central consiste num pé carregado de laranjeira tachibana (Citrus tachibana), o gavetão inferior apresenta enrolamentos das trepadeiras de feijoeiro do Japão ou kuzu (Pueraria lobata), espécie que se repete, como que omnipresente, na decoração do tardoz lacado e na face interior do tampo de abater. Entre as espécies botânicas presentes na decoração deste importante contador conta-se também a flor-de-lótus (Nelumbo nucifera), despontando das cenas de lago nas gavetas quadrangulares dos cantos.
À semelhança de outros móveis lacados Namban, de faces exteriores planas e arestas salientes à maneira do mobiliário chinês, a decoração deste contador é em tapete, com cercaduras decorativas (enxaquetado, ou ishitatami) conjugando a decoração a ouro com a madrepérola (raden).
No entanto, à excepção do tardoz que, como já vimos, é decorado por um largo e contínuo painel de trepadeiras de feijoeiro do Japão, as restantes superfícies são cobertas por placas - inteiras nas ilhargas e divididas em duas no topo e na face exterior do tampo de abater - de cobre dourado e lacado a negro (urushi) desenhando um padrão de escamas (voltadas para cima), com balmázios também de cobre dourado no centro de cada escama.
Embora num outro material, bastante mais dispendioso e difícil de trabalhar, estas placas com padrão de escamas irmanam o presente contador a um raro grupo de peças de mobiliário lacado Namban totalmente revestidas a madrepérola (raden) desenhando idêntico padrão de escamas e “fixas” por semelhantes balmázios de cabeça redonda e achatada em cobre dourado. Este padrão, com efeito, representa a transposição de um gosto e modo de produção estranhos ao Japão, chegados por mão dos portugueses, já que copiam o padrão escamado dos objectos - entre os quais peças de mobiliário como cofres ou mesmo tampos de mesa -, produzidos com tesselas de madrepérola no Guzarate, alguns já sob encomenda directa europeia e copiando modelos levados pelos portugueses. Desta produção Namban conhecem-se uns poucos exemplares, como um baú (curiosamente decorado apenas também com trepadeiras do Japão) de grandes dimensões (45,5 x 76 x 36,5 cm) em colecção particular, um grande contador de mesa em colecção particular lisboeta, ou um outro baú também de grandes dimensões no Victoria and Albert Museum, Londres (inv. no. FE.33-1983).
Muito embora seja moroso e certamente difícil o trabalho envolvido no corte e aplicação das tesselas de madrepérola à superfície de madeira lacada dos exemplares deste raro grupo, a produção das placas do nosso contador, em cobre dourado, é seguramente mais complexa, já que do domínio da metalurgia. Com efeito, para o fabrico de tão finas e regulares folhas de cobre torna-se necessário a fundição de um lingote depois aplanado por martelagem até à obtenção da espessura desejada (recomeçada sempre que perdida a ductilidade do metal, sendo necessário recozê-lo, levando-o ao fogo repetidas vezes), e morosa e subsequente eliminação das marcas do martelo, resultando numa superfície imaculadamente lisa e plana.
Esta superfície, foi posteriormente dourada, provavelmente por dissolução do ouro em amálgama de mercúrio, resultando, depois do mercúrio evaporar, numa superfície dourada posteriormente brunida para maior brilho, lacada a negro desenhando o padrão escamado, com seu balmázio (e furação que lhe antecede) colocado por fim no centro de cada escama.
Operações complexas e lentas do domínio da metalurgia, que resultam numa superfície absolutamente extraordinária, literalmente coberta de ouro, um dos materiais, a par da seda, mais dispendiosos de então e por isso mesmo muito apreciado.
Trata-se pois, não de uma opção decorativa por escassez de madrepérola, mas de uma escolha plenamente consciente por parte do encomendante, dado que o mobiliário coberto de ouro era considerado então, como o mais luxuoso e reservado à elite. Resta lembrar que o uso desmedido de mobiliário coberto de ouro levou mesmo à sua proibição no reino de Portugal - a par de peças em ouro esmaltado ou do uso desregrado de vestuário de seda -, através de leis especiais conhecidas por pragmáticas contra o luxo.
A decoração em cobre dourado, que está também presente nas cintas de cobre (decoradas por incisão a imitar as cercaduras enxaquetadas da decoração lacada) que tapam as juntas das placas duplas no topo e na frente, estende-se também às ferragens, que consistem nos puxadores das gavetas (com espelhos em flor de crisântemo), cantoneiras, gualdras ou pegas laterais, dobradiças, e na grande fechadura exterior, cujo espelho recortado é em forma de brasão coroado decorado no interior por um damasqueiro do Japão ou Prunus mume.
A refinada decoração a ouro aplicada a este contador de grandes dimensões, conhecida por maki-e, literalmente "pintura polvilhada", era comum no período Momoyama (1568-1600), e também nos inícios do período Edo que se lhe seguiu.
É neste período e contexto de mútua aculturação que surge um tipo especial de laca para exportação combinando embutidos de madrepérola com um tipo de decoração conhecida por hiramaki-e, a que se chama nanban makie ou nanban shitsugei.
O vocábulo Nanban, igualmente grafado como Namban, ou Namban-jin, (literalmente "Bárbaros do Sul"), de origem chinesa, surge utilizado para identificar mercadores, missionários e marinheiros portugueses e espanhóis após a sua chegada ao Japão, entre os séculos XVI e XVII, tendo sido empregado também para designar um grupo de objectos lacados e outros produtos produzidos no Japão para consumo interno ou para exportação, reflectindo um gosto ocidental, sendo modelados sobre protótipos europeus, tal como o nosso contador.
Objectos de estilo Namban, produzidos em exclusivo para exportação, combinam técnicas, materiais e motivos decorativos japoneses com estilos e formas europeias, sendo o presente um valioso testemunho. Não se conhece, até hoje, nenhuma peça de mobiliário Namban com esta decoração com folhas de cobre dourado e lacado desenhando padrão de escamas, sendo por isso um documento notável deste gosto, pautado ao mesmo tempo por um certo refinamento, mas também e sobremaneira, pela ostentação desmedida e desenfreada que, afinal, bem representa os portugueses na Ásia neste período das Descobertas marítimas e da expansão portuguesa.

Hugo Miguel Crespo

  • Arte Colonial e Oriental
  • Artes Decorativas
  • Mobiliário

Formulário de contacto - Peças

CAPTCHA
This question is for testing whether or not you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Image CAPTCHA
Enter the characters shown in the image.