Talha

Nº de referência da peça: 
C467

Magnífica talha em faiança portuguesa, da segunda metade do século XVII, com pronunciada forma bojuda, rodada, duas asas opostas e gargalo elevado de bordo ondulante e divergente, revestida de esmalte estanífero com decoração policroma pouco vulgar.

Tanto o colorido como a decoração desta peça remetem para a azulejaria do período.  O uso do azul de cobalto e do amarelo de antimónio, com alguns apontamentos verdes da mistura destes dois pigmentos é complementado pelo desenho dos contornos negros de manganês concentrado, permitindo situar a peça cerca de 1660-1680, para a qual existem algumas raras faianças datadas.

Nas faces do bojo, duas reservas cordiformes com cartela de enrolamentos maneiristas de gosto flamengo, uma centrada por alegoria legendada AMOR com cupido sobre coração alado e armado de arco e flecha, e a outra com figura feminina segurando cornucópia florida, numa alegoria à Abundância. As asas ornadas de ramagens floridas de gosto exótico, que não só foram usadas na faiança seiscentista como também na pintura de frontais de altar em azulejo, em geral designados de “aves e ramagens”.

Por baixo das asas, evidenciam-se duas corujas que se destacam como o elemento mais original da decoração da peça, idênticas às representadas num dos colaterais da Igreja de São Pedro, em Almargem do Bispo (Sintra) e no Museu Nacional de Machado de Castro, em Coimbra, bem como em azulejos da Casa de Fresco do Palácio dos Marqueses de Fronteira, em Lisboa.

Faiança Portuguesa, Lisboa, 1660 – 1680, Alt.: 40,0 cm

Portuguese faience, Lisboa, 1660 – 1680, Height: 40,0 cm

  • Arte Portuguesa e Europeia
  • Azulejos e Faianças

Formulário de contacto - Peças