Coleções

Invulgar peça em faiança portuguesa do século XVII, representando baú de caracter artesanal, apoiado sobre patim incorporado, com cabeça de animal fantástico, com decoração a azul-cobalto sobre esmalte branco. A tampa e a frente do cofre estão delimitadas por friso a azul e preenchidas por cartela com enrolamentos simétricos de folhas de acanto, desenvolvidas ao modo barroco, através de pincelada gestual e espontânea, ponteadas por ramos de aranhões, vulgarmente inspirados nas folhas de artemisa da porcelana chinesa do período Ming.

Khanjar com lâmina em aço damasquino de forma plana e ligeiramente curva, com dois gumes e nervurada ao centro. O punho, em jade verde com a forma de cabo de pistola, típico do reinado de Aurangzeb (1658-1707), apresenta delicado relevo com motivos vegetalistas - exuberantes folhagens intrincadas, terminando com flor desabrochada nos topos.

Aço damasquino e jade verde
Índia, séc. XVII
Dim.: 35,0 cm

Raras arquinhas açoreanas de tampo liso. Corpo decorado em círculos secantes moldurados com tremidos e duas gavetas almofadadas com decoração de tremidos. Pés de bolacha finamente torneados. Interiores em pau‑santo; fundos do interior das arcas com respiradouros em forma de flor entalhada e vazada. Ferragens em latão recortado.

Raríssima escultura em fina chapa de prata repuxada e cinzelada, obra-prima de uma destacada oficina de ourives de Goa, datável dos inícios de Seiscentos, ou um pouco anterior.

Magnífica talha em faiança portuguesa, da segunda metade do século XVII, com pronunciada forma bojuda, rodada, duas asas opostas e gargalo elevado de bordo ondulante e divergente, revestida de esmalte estanífero com decoração policroma pouco vulgar.

Invulgar cofre em formato de baú, em filigrana de prata rendilhada e vazada, atribuível a mestres goeses do século XVII. Corpo de forma paralelepipédica com pegas laterais, que assenta sobre quatro pé esféricos, sendo a tampa de secção arredondada em volta perfeita, encerrando com uma exuberante flor-de-lótus desabrochada.

Cofre de secção octogonal, em filigrana de prata, trabalho goês do séc. XVII, totalmente decorado com elementos que se enrolam e se cruzam ao gosto oriental. Na tampa, monograma coroado ao centro, inserido numa orla redonda, ladeado por “CC” e “SS” encostados e volutas, de onde partem enrolamentos fitomórficos.

Excepcional cofre das oficinas de Guzarate, em tartaruga guarnecida a prata, datável da 2ª metade do século XVI.

Garrafa paralelepipédica em faiança portuguesa do séc. XVII, de secção quadrangular com ombro arredondado, colo curto e cilíndrico, gargalo proeminente, coberta a esmalte branco com pintura a azul-cobalto. Está decorada com quatro painéis arqueados onde se inscrevem cartelas, preenchidas por elementos decorativos vegetalistas de influência oriental: crisântemo com duas flores e respectivos ramos e folhas estilizadas em vários tons de azul, sobre vidrado. O ombro é ocupado por faixa barroca de acantos e o gargalo proeminente em esmalte branco.

Páginas