Coleções

F821  Menino Jesus sino-português em marfim, do séc. XVII.De grande qualidade escultórica, o menino encontra se sentado em atitude de profunda meditação. A face é serena, com traços orientais, os cabelos bem desenhados com singelos caracóis periféricos e esboça um leve sorriso.Veste túnica simples, desprovida de qualquer adorno. Está sentado, com as pernas cruzadas à maneira oriental, deixando ver as pontas dos pés. Segura na mão direita a orbe terrestre, tem o cotovelo esquerdo apoiado no joelho e apoia os dedos na face.

Cafeteira de três pés D. José em prata portuguesa. Corpo modelado num formato piriforme, característico do período rocaille. No bojo, decoração rocaille cinzelada, usando motivos fitomórficos, rosas, concheados e volutas plenas de movimento, destacando-se um medalhão central emoldurado por duas longas aletas.

D661 Sem Título, 1969

Esmalte s/ platex Assinado e datado c.i.d.

D1143 “Souvenir de Lesbos”1969

C421 Excepcional prato de faiança portuguesa de grandes dimensões, com covo pouco acentuado e de aba levantada, coberto com esmalte branco e pintado a azul e vinoso de manganês, num minucioso trabalho de composição designado de Desenho Miúdo. A decoração é tipicamente chinesa com o covo e a aba preenchidos por paisagem orientalizante. No centro surgem dois monges budistas sobre uma ponte à sombra de uma umbella inseridos numa profusa composição vegetalista.

F615  Cristal de Rocha Peça esculpida a partir de um único bloco de cristal-de-rocha particularmente límpido.Taça oblonga, apresenta 8 gomos em torno de uma flor central, simulando um trevo de quatro folhas. A sua beleza repousa num jogo de superfícies lisas,ritmicamente marcadas por gomos. Na Índia Mogol havia uma predileção pelos objetos preciosos e delicados, esculpido sem pedras duras tais como jade, ágata e cristal-de-rocha, por vezes ornamentadas posteriormente, com ouro e pedraria.

B255 - Objecto de prata de âmbito civil, usado para lavar as mãos no ritual que antecedia as refeições da aristocracia portuguesa, este extraordinário aquamanil, de grandes dimensões e peso, pertence a um grupo de cerca de oito peças dispersas pelo globo.

Finamente repuxados e cinzelados, construídos por duas espessas chapas de prata soldadas a meio, apresentam-nos uma estranha figuração quimérica.

D473  "Sem Título" 1933

F740  Aço damasquino, ouro, rubis, Requintada adaga de um só gume, com lâmina em aço damasquino. O punho apresenta um extraordinário trabalho de incrustação de gemas, com 222 rubis, 36 esmeraldas e 22 diamantes em ouro de 24k, formando na zona central uma flor de sete pétalas. As zonaslaterais do encaixe exibem delicados frisos a ouro cinzelado com requintados motivos vegetalistas – flores e folhas.

Páginas