Coleções

Excepcional cómoda tombeau em pau-santo maciço, do período de transição D. João V / D. José, de linhas onduladas, concavas e convexas, dita “torta e retorta”, com aplicações em bronze cinzelado. A frente é abaulada, constituída por três níveis de gavetas, separados por vistas de entre panos bem marcados: o superior com duas e os restantes em gavetão, simulando duas gavetas iguais, idênticas às de cima. As frentes destes compartimentos têm uma elegante almofada com dupla moldura periférica de cantos arredondados.

“Pouvoir du Visiteur sur la Spirale”

1977 

Porcelana chinesa de exportação vidrada e decorada com esmaltes "Família Verde"

 

 

Garrafa paralelepipédica em faiança portuguesa do séc. XVII, de secção quadrangular com ombro arredondado, colo curto e cilíndrico, gargalo proeminente, coberta a esmalte branco com pintura a azul-cobalto. Está decorada com quatro painéis arqueados onde se inscrevem cartelas, preenchidas por elementos decorativos vegetalistas de influência oriental: crisântemo com duas flores e respectivos ramos e folhas estilizadas em vários tons de azul, sobre vidrado. O ombro é ocupado por faixa barroca de acantos e o gargalo proeminente em esmalte branco.

A343
Meia-cómoda D. José em pau-santo maciço, do séc. XVIII.Tampo recortado, acompanhando as linhas do corpo, decorado com rebaixo. Caixa ondulada e abaulada, na frente e nas ilhargas, com duas gavetas e um gavetão. Saial, da frente e das ilhargas, recortado eentalhado, decorado com conchas e volutas.
Pernas arqueadas e rematadas por um friso, terminando em pés de enrolamento.
Ferragens rocaille em bronze dourado.

Belo prato de grandes dimensões, com covo pouco acentuado e de aba levantada, esmaltado a branco e decorado a azul-cobalto, em faiança portuguesa da primeira metade do século XVII, inspirada na porcelana chinesa Kraak do período Wanli, dinastia Ming.

Fundo com decoração muito preenchida onde sobressai, numa exuberante paisagem exótica,um javali junto a um varandim, uma roda budista e, ao fundo, casario com igreja.

A sua forma particular identifica-se com os kagamibuta, literalmente "tampa em espelho", fazendo lembrar um manju ou doce tradicional de forma redonda, dado que a parte superior, normalmente em metal, faz lembrar um espelho.

Escultura do séc. XV/XVI, em pedra de Ançã (calcário) esculpida e policromada, representando São Sebastião em vulto pleno, com as mãos atrás das costas atadas ao tronco martirial.

Exuberante par de castiçais em prata portuguesa, relevada e gravada. Fretes em forma de balaústre, com quatro nós de volumetrias diferentes, que ostentam decoração gravada com frisos intercalados de folhas de acanto estilizadas e de corola fechada.

Base de secção hexagonal com banda periférica com os mesmos motivos fitomórficos. No bordo da base inscrição “N S DA CONCEIÇÃO DO CARREGADO”. Arandela móvel decorada com pequena moldura de folhas de acanto.

Páginas