Coleções

Menino Jesus de grandes dimensões em marfim, do século XVII.

Excepcional par de cómodas da época D. José I, em pau-santo maciço ricamente entalhado, com fundos em vinhático e ferragens em bronze ao gosto rocaille. O tampo é liso e emoldurado, acompanhando frente e ilhargas onduladas com quebras em curva e contracurva. Corpo com duas gavetas e três gavetões, que possuem frentes lisas e moldura dupla, com exuberantes ferragens em bronze.

Raríssima peça de formato islâmico em faiança portuguesa, com decoração inspirada em peças idênticas em porcelana da China. A garrafa de bojo globoso, esferóide com pescoço alto e cilíndrico termina em bordo saliente. No corpo decoração com quatro cartelas decoradas alternadamente por grandes arranjos de flores, ramos de boninas e rolos de papel com motivo geométrico encadeado e laçadas. Separam estes medalhões rectângulos com “cordões duplos e losango”.

Cristo nipo-português em marfim, da transição do século XVI/XVII, crucificado numa cruz de madeira decorada com os símbolos da paixão. A figura está adormecida, com o facies de expressão mística bem marcada e uma certa intensidade emocional. Apresenta grande detalhe anatómico, com veias e musculatura de forma convincente e características especificas reveladoras de modelo nipo-português.

Jarro e bacia em prata portuguesa, trabalho da primeira metade do séc. XVIII, segundo modelo do ourives Luís Gonçalves (c. 1551).

O jarro tem o corpo liso, em forma de balaústre, com largo bocal terminando em bico. Asa de expressão rocaille formando um “S” invertido, acabando em dupla voluta. A bacia, de bordo elevado, tem o centro circular limitado por moldura alteada para encaixe do jarro.

Baixo-relevo indo-português em marfim com Nossa Senhora e O Menino, planando no espaço celestial em plena glória, tendo aos seus pés a meia-lua e rodeados pelas contas do rosário.

Está encimado pelo Padre Eterno que segura o globo do mundo (símbolo de autoridade) e rodeada por quatro anjos, dois anjos arautos e dois a ladearem o rosário.

Invulgar peça em faiança portuguesa do século XVII, representando baú de caracter artesanal, apoiado sobre patim incorporado, com cabeça de animal fantástico, com decoração a azul-cobalto sobre esmalte branco. A tampa e a frente do cofre estão delimitadas por friso a azul e preenchidas por cartela com enrolamentos simétricos de folhas de acanto, desenvolvidas ao modo barroco, através de pincelada gestual e espontânea, ponteadas por ramos de aranhões, vulgarmente inspirados nas folhas de artemisa da porcelana chinesa do período Ming.

F866  Raro olifante, ronca ou trompa de caça em marfim esculpido, trabalho provavelmente da Serra Leoa, do séc. XVI. De grande sobriedade de decoração, a presa é lisa, com corpo facetado, de secção oitavada, terminando numa gola de marfim mais claro, aspectos responsáveis pela raridade da peça e lhe conferem uma grande elegância. Na pequena curvatura, argola entalhada para suspensão e, na grande, dois orifícios para sopro. Um triplo anel separa-o da zona da boca decorada com estrias em ziguezague.

Páginas